Há 105 anos a Igreja Católica Apostólica Romana celebra o Dia Mundial do Migrante e do Refugiado, com o intuito de sensibilizar a sociedade acerca da questão migratória. Neste ano, a celebração acontece hoje, 29 de setembro e carrega a temática “Não se trata apenas de migrantes”, campanha disseminada pelo Papa Francisco. A campanha alerta sobre o crescente sentimento individualista, a mentalidade utilitarista e populista, o medo do encontro com o outro, com o desconhecido, que está levando a ações discriminatórias e criminosas contra migrantes, requerentes de asilo, pessoas refugiadas e vítimas de tráfico de seres humanos no mundo inteiro. Como assevera o Papa em sua mensagem, “um espírito individualista é terreno fértil para medrar aquele sentido de indiferença para com o próximo, que leva a tratá-lo como mero objeto de comércio, que impele a ignorar a humanidade dos outros e acaba por tornar as pessoas medrosas e cínicas”.

Nós, do Centro Scalabriniano de Estudos Migratórios (CSEM) de Brasília, endossamos a campanha e reforçamos a necessidade da promoção do acolhimento, proteção e incorporação no tecido social de todas as pessoas em situação de deslocamento. Reiteramos que a presença dessas pessoas aponta uma oportunidade efetiva de crescimento para todos os membros da sociedade. Mas para que isso seja possível é preciso comprometimento para assegurar a defesa e promoção dos direitos humanos de todos os sujeitos envolvidos a fim de alimentar dinâmicas de solidariedade, responsabilidade, reciprocidade e compaixão: “Abrir-se aos outros – sustenta Papa Francisco – não empobrece, mas enriquece, porque nos ajuda a ser mais humanos”.

Convidamos, portanto, os governantes e a sociedade civil para a elaboração de programas e políticas que auxiliem e fortaleçam a autonomia das pessoas migrantes, conscientizem a população acerca dos desafios e das riquezas dos movimentos migratórios, estabeleçam espaços de interlocução e interação com vista à disseminação de uma “cultura do encontro”. Essas ações não visam apenas promover o bem das pessoas migrantes. “Não se trata apenas de migrantes”, afirma Papa Francisco. Essas medidas têm como alvo o bem de cada ser humano: “não está em jogo apenas a causa dos migrantes; não é só deles que se trata, mas de todos nós, do presente e do futuro da família humana”.

Roberto Marinucci

Vice-diretor do CSEM