Nossas redes sociais

Mais de seis mil refugiados moçambicanos no Malawi regressam ao país

 Um total de 6.346 refugiados moçambicanos, que fugiram das hostilidades militares resultants da reedição em 2016 do conflito politico-militar, e que se encontravam em campos no Malawi, regressaram ao país desde a declaração da trégua.

André Baptista

A maioria é natural de Tete

Um total de 6.346 refugiados moçambicanos, que fugiram das hostilidades militares resultants da reedição em 2016 do conflito politico-militar, e que se encontravam em campos no Malawi, regressaram ao país desde a declaração da trégua.

A informação foi confirmada a VOA pela administradora de Moatize, Maria Torcida.

“Parte das famílias regressou em 2016 e outra desde o início deste ano e o Governo continua a apoiar com alimentação e material para agricultura”, garantiu Maria Torcida, adiantando que as autoridades têm reintegrado as crianças refugiadas nas escolas locais das zonas de origem.

O grosso, 5.827 pessoas, que corresponde a 1.422 famílias, regressou quando um acordo de cessação das hostilidades militares foi alcançado, com a declaração da trégua no conflito que opunha o Governo e a Renamo, sendo que as restantes 519, equivalente a 188 famílias regressoaram nos últimos meses de 2017.

A maioria dos refugiados no Malawi é de Tete, particularmente da região de Nkondezi, e muitos regressados estão concentrados nos bairros um e Mondjo (Nkondezi), perto da fronteira entre Moçambique e o Malawi.

“Os que regressaram estão mesmo nos bairros de Nkondezi e estão a reconstruir as suas vidas” precisou Maria Torcida, reconhecendo o envolvimento da própria população na recomeço das suas vidas.

Além de apoio em sementes melhoradas, para acelerar a produção para a sustentabilidade das famílias, o Governo iniciou uma campanha de sensibilização das pessoas para que circulem à vontade em zonas severamente atingidas pelos confrontos que fizeram um número desconhecido de mortos e feridos, além de ter provocado milhares de deslocados internos.

Milhares de pessoas refugiaram-se para o Malawi, quando a tensão político-militar se acentuou no centro de Moçambique e mais de 10 mil moçambicanos chegaram a ser acolhidos como refugiados em campos daquele país vizinho.

Fonte: Voa Português

Pular para o conteúdo