Carmem Lussi
Brasília: CSEM/Petrópolis: Vozes, 2006.

O fenômeno da mobilidade humana tem despertado, nos últimos anos, em nível internacional, diferentes reações, ás vezes marcadas pela compaixão e pela solidariedade, mas também pela desconfiança e pelo medo. O migrante, em sua alteridade cultural, social e religiosa, é frequentemente apontado como um perigo, uma ameaça para a manutenção da ordem vigente: No interior da Igreja Católica, o cuidado pastoral junto aos migrantes e refugiados historicamente priorizou o atendimento sacramental e assistencial. A preocupação estava mais em socorrer e ajudar do que em dialogar e interagir. A pessoa em mobilidade era um destinatário da ação pastoral, antes que um interlocutor.
O Livro de Carmem Lussi, mscs, busca novas abordagens na compreensão e na prática da pastoral migratória, tendo como perspectiva norteadora a missionariedade da Igreja Católica. O Livro apresenta-se, assim, como “uma reflexão teológica e pastoral como duplo aspecto: aprofundar a questão para melhor compreender a relação ‘Mobilidade Humana-Igreja’, e procurar caminhos pastorais e missionários possíveis e atuáveis”.