• Coleção completa REMHU

    Coleção completa da revista REMHU.

    Coleção completa, exceto os números esgotados

    R$200.00
    Coleção completa da revista REMHU. Coleção completa, exceto os números esgotados
  • Assinatura anual REMHU

    REMHU – Revista Interdisciplinar da Mobilidade Humana é uma publicação quadrimestral do CSEM. Seu objetivo é oferecer ao mundo acadêmico e aos pensadores e articuladores da pastoral e das políticas migratórias análises interdisciplinares, amplas e aprofundadas de temas ligados à mobilidade humana contemporânea. Para mais informações acesse o link da Revista no site do CSEM aqui ou o site oficial da REMHU 

    Edições 55, 56, 57
    Ano de Publicação: 2019

    R$100.00
    REMHU – Revista Interdisciplinar da Mobilidade Humana é uma publicação quadrimestral do CSEM. Seu objetivo é oferecer ao mundo acadêmico e aos pensadores e articuladores da pastoral e das políticas migratórias análises interdisciplinares, amplas e aprofundadas de temas ligados à mobilidade humana contemporânea. Para mais informações acesse o link da Revista no site do CSEM aqui ou o site oficial da REMHU  Edições 55, 56, 57 Ano de Publicação: 2019
  • Nº 56: Migrantes africanos em América Latina: (in)movilidades y haciendo-lugar

    “Não são apenas números! As migrações internacionais, seja quais forem suas causas e efeitos, não podem ser reduzidas a números, a dados estatísticos. Elas são protagonizadas por seres humanos. Não por coletividades abstratas, uniformes e padronizadas – “os” migrantes, “os” estrangeiros, “os” refugiados – e sim por sujeitos concretos que possuem biografias singulares, trajetórias existenciais específicas, recursos materiais, simbólicos e sociais peculiares.

    Ano de Publicação: 2019

    R$25.00
    “Não são apenas números! As migrações internacionais, seja quais forem suas causas e efeitos, não podem ser reduzidas a números, a dados estatísticos. Elas são protagonizadas por seres humanos. Não por coletividades abstratas, uniformes e padronizadas – “os” migrantes, “os” estrangeiros, “os” refugiados – e sim por sujeitos concretos que possuem biografias singulares, trajetórias existenciais específicas, recursos materiais, simbólicos e sociais peculiares. Ano de Publicação: 2019
  • Nº 55: Olhares psicossociais sobre migrantes e refugiados

    “Não são apenas números! As migrações internacionais, seja quais forem suas causas e efeitos, não podem ser reduzidas a números, a dados estatísticos. Elas são protagonizadas por seres humanos. Não por coletividades abstratas, uniformes e padronizadas – “os” migrantes, “os” estrangeiros, “os” refugiados – e sim por sujeitos concretos que possuem biografias singulares, trajetórias existenciais específicas, recursos materiais, simbólicos e sociais peculiares.

    Ano de Publicação: 2019

    R$20.00
    “Não são apenas números! As migrações internacionais, seja quais forem suas causas e efeitos, não podem ser reduzidas a números, a dados estatísticos. Elas são protagonizadas por seres humanos. Não por coletividades abstratas, uniformes e padronizadas – “os” migrantes, “os” estrangeiros, “os” refugiados – e sim por sujeitos concretos que possuem biografias singulares, trajetórias existenciais específicas, recursos materiais, simbólicos e sociais peculiares. Ano de Publicação: 2019
  • Nº 54: Migrações na África: sujeitos, impactos e desafios

    “Rompiamo il silenzio sull’Africa”. Este foi o apelo do comboniano Alex Zanotelli, em julho de 2017. Uma denúncia das omissões da mídia internacional em relação à conjuntura do continente africano. Omissões que se configuram como um verdadeiro “encobrimento” (Dussel, 1993)

    Ano de Publicação: 2018

    R$20.00
    “Rompiamo il silenzio sull’Africa”. Este foi o apelo do comboniano Alex Zanotelli, em julho de 2017. Uma denúncia das omissões da mídia internacional em relação à conjuntura do continente africano. Omissões que se configuram como um verdadeiro “encobrimento” (Dussel, 1993) Ano de Publicação: 2018
  • Nº 53: Racismos

    “A derrocada de formas institucionalizadas de racismo – como o apartheid sul-africano ou a segregação racial nos EUA – acoplada à abolição da escravidão, ao amplo processo de descolonização no Sul do mundo e, sobretudo, à quase que generalizada condenação da Shoá, gerou a espraiada sensação de superação definitiva do espetro racial, teórico e prático.

    Ano de Publicação: 2018

    R$20.00
    “A derrocada de formas institucionalizadas de racismo - como o apartheid sul-africano ou a segregação racial nos EUA - acoplada à abolição da escravidão, ao amplo processo de descolonização no Sul do mundo e, sobretudo, à quase que generalizada condenação da Shoá, gerou a espraiada sensação de superação definitiva do espetro racial, teórico e prático. Ano de Publicação: 2018
  • Nº 52: Direito à cidade: segregação e lutas pela cidadania

    “Em 2015, no meio da assim chamada “crise dos refugiados”, na Europa, milhares de pessoas em diferentes países manifestaram a própria disponibilidade para dar abrigo a pessoas em fuga de violências e conflitos. Uma atitude, em muitos casos, em clara contraposição às políticas migratórias restritivas e seletivas dos próprios governos. ”

    Ano de Publicação: 2018

    R$20.00
    “Em 2015, no meio da assim chamada “crise dos refugiados”, na Europa, milhares de pessoas em diferentes países manifestaram a própria disponibilidade para dar abrigo a pessoas em fuga de violências e conflitos. Uma atitude, em muitos casos, em clara contraposição às políticas migratórias restritivas e seletivas dos próprios governos. ” Ano de Publicação: 2018
  • Nº 51: Migrações no Mediterrâneo: entre fronteiras e acolhimento

    “Chamado de Mare Nostrum pelos antigos Romanos, o Mediterrâneo tornou-se, nos últimos anos, um Mare Mortuum, um verdadeiro “cemitério”. Os numerosos corpos de náufragos encalhados nas costas são apenas uma amostra dos milhares e milhares de seres humanos que não conseguiram superar a última fronteira geográfica rumo ao sonho europeu. Ou melhor, rumo à segurança.

    Ano de Publicação: 2017

    R$20.00
    “Chamado de Mare Nostrum pelos antigos Romanos, o Mediterrâneo tornou-se, nos últimos anos, um Mare Mortuum, um verdadeiro “cemitério”. Os numerosos corpos de náufragos encalhados nas costas são apenas uma amostra dos milhares e milhares de seres humanos que não conseguiram superar a última fronteira geográfica rumo ao sonho europeu. Ou melhor, rumo à segurança. Ano de Publicação: 2017
  • Nº 50: Dilemas éticos das migrações

    Seria um erro afirmar que a governança das migrações, na atualidade, não possua algum fundamento ético. As políticas restritivas e securitárias de controle da mobilidade humana, de externalização das fronteiras e de inclusão diferenciada de migrantes são alardeadas em nome de sólidos princípios: a luta contra o terror, a defesa dos direitos humanos, o bem-estar da população, a preservação da identidade cultural da nação, a luta contra o tráfico de pessoas

    Ano de Publicação: 2017

    R$20.00
    Seria um erro afirmar que a governança das migrações, na atualidade, não possua algum fundamento ético. As políticas restritivas e securitárias de controle da mobilidade humana, de externalização das fronteiras e de inclusão diferenciada de migrantes são alardeadas em nome de sólidos princípios: a luta contra o terror, a defesa dos direitos humanos, o bem-estar da população, a preservação da identidade cultural da nação, a luta contra o tráfico de pessoas Ano de Publicação: 2017
  • Nº 49: Migrantes no mercado de trabalho: precarização e discriminação

    “Em muitos países, na atualidade, mudanças nas leis trabalhistas estão sendo implementadas com o objetivo, real ou fictício, de aumentar a competitividade em um contexto de crise econômica. Essas reformas, em geral, visam flexibilizar os contratos de trabalho e, ao mesmo tempo, alterar os processos de negociação coletiva. Na realidade, para além dos discursos oficiais, o que ocorre é uma redução dos direitos dos trabalhadores.”

    Ano de Publicação: 2017

    R$20.00
    “Em muitos países, na atualidade, mudanças nas leis trabalhistas estão sendo implementadas com o objetivo, real ou fictício, de aumentar a competitividade em um contexto de crise econômica. Essas reformas, em geral, visam flexibilizar os contratos de trabalho e, ao mesmo tempo, alterar os processos de negociação coletiva. Na realidade, para além dos discursos oficiais, o que ocorre é uma redução dos direitos dos trabalhadores.” Ano de Publicação: 2017
  • Nº 48: Movimentos sociais e mobilizações de migrantes e refugiados

    “O drama de milhões de pessoas que fogem de conflitos bélicos, violações generalizadas de direitos humanos e condições degradantes de vida tem se tornado pauta de intensos e complexos debates em nível internacional. Com frequência, os segmentos sociais mais sensíveis à causa de migrantes e refugiados tendem a enfatizar as situações de vulnerabilidade dos deslocados, bem como suas legítimas intencionalidades.

    Ano de Publicação: 2016

    R$15.00
    “O drama de milhões de pessoas que fogem de conflitos bélicos, violações generalizadas de direitos humanos e condições degradantes de vida tem se tornado pauta de intensos e complexos debates em nível internacional. Com frequência, os segmentos sociais mais sensíveis à causa de migrantes e refugiados tendem a enfatizar as situações de vulnerabilidade dos deslocados, bem como suas legítimas intencionalidades. Ano de Publicação: 2016
  •  Nº 47: O protagonismo dos migrantes

    “O drama de milhões de pessoas que fogem de conflitos bélicos, violações generalizadas de direitos humanos e condições degradantes de vida tem se tornado pauta de intensos e complexos debates em nível internacional. Com frequência, os segmentos sociais mais sensíveis à causa de migrantes e refugiados tendem a enfatizar as situações de vulnerabilidade dos deslocados, bem como suas legítimas intencionalidades.

    Ano de Publicação: 2016

    R$15.00
    “O drama de milhões de pessoas que fogem de conflitos bélicos, violações generalizadas de direitos humanos e condições degradantes de vida tem se tornado pauta de intensos e complexos debates em nível internacional. Com frequência, os segmentos sociais mais sensíveis à causa de migrantes e refugiados tendem a enfatizar as situações de vulnerabilidade dos deslocados, bem como suas legítimas intencionalidades. Ano de Publicação: 2016
  • Nº 46: Migrações, meios de comunicação e processos comunicacionais

    O artigo parte de uma discussão sobre as relações entre comunicação em rede e migrações transnacionais e da proposição do conceito de webdiáspora para, em um segundo momento, apresentar uma análise exploratória de quatro páginas na rede social online Facebook mantidas por migrantes senegaleses no Rio Grande do Sul, Brasil. Neste texto, as páginas no Facebook são entendidas enquanto parte importante da dinâmica migratória, como ambientes comunicacionais de experimentação e de afirmação identitária, assim como lugar de encontro de uma diáspora que se organiza em termos de associações que disputam políticas de posição e reconhecimento no Brasil. A reflexão integra projeto de pesquisa sobre as dinâmicas de comunicação em rede em novos fluxos de migratórios para o estado, especialmente o caso dos migrantes do Senegal em cidades gaúchas.

    Ano de Publicação: 2016

    R$15.00
    O artigo parte de uma discussão sobre as relações entre comunicação em rede e migrações transnacionais e da proposição do conceito de webdiáspora para, em um segundo momento, apresentar uma análise exploratória de quatro páginas na rede social online Facebook mantidas por migrantes senegaleses no Rio Grande do Sul, Brasil. Neste texto, as páginas no Facebook são entendidas enquanto parte importante da dinâmica migratória, como ambientes comunicacionais de experimentação e de afirmação identitária, assim como lugar de encontro de uma diáspora que se organiza em termos de associações que disputam políticas de posição e reconhecimento no Brasil. A reflexão integra projeto de pesquisa sobre as dinâmicas de comunicação em rede em novos fluxos de migratórios para o estado, especialmente o caso dos migrantes do Senegal em cidades gaúchas. Ano de Publicação: 2016
  • Nº 45: Criminalização das Migrações

    “O crescente aumento de fluxos migratórios mistos em nível internacional tem colocado a questão migratória no centro da pauta política em muitos países do  mundo.  Em  um  contexto  global  caracterizado  por  uma  difundida crise  econômico-financeira, a chegada de imigrantes e solicitantes de refúgio desperta, não raramente, sentimentos e atitudes de solidariedade e acolhida, mas também reações alarmistas, xenófobas e racistas.

    Ano de Publicação: 2015

    R$10.00
    “O crescente aumento de fluxos migratórios mistos em nível internacional tem colocado a questão migratória no centro da pauta política em muitos países do  mundo.  Em  um  contexto  global  caracterizado  por  uma  difundida crise  econômico-financeira, a chegada de imigrantes e solicitantes de refúgio desperta, não raramente, sentimentos e atitudes de solidariedade e acolhida, mas também reações alarmistas, xenófobas e racistas. Ano de Publicação: 2015
  • Nº 44: Migrações e fronteiras

    “No  final  do  século  passado,  a  queda  do  muro  de  Berlim  e  a  instituição  da  “cidadania  europeia”  colocaram  na  pauta  de  governos  e  organizações  não  governamentais a questão da relação entre a cidadania e o princípio de nacionalidade. Como sublinha Sandro Mezzadra, acreditava-se que esse novo cenário fosse propício para a realização concreta de ideais cosmopolitas e o reconhecimento dos direitos dos migrantes, independentemente de sua nacionalidade.

    Ano de Publicação: 2015

    R$10.00
    “No  final  do  século  passado,  a  queda  do  muro  de  Berlim  e  a  instituição  da  “cidadania  europeia”  colocaram  na  pauta  de  governos  e  organizações  não  governamentais a questão da relação entre a cidadania e o princípio de nacionalidade. Como sublinha Sandro Mezzadra, acreditava-se que esse novo cenário fosse propício para a realização concreta de ideais cosmopolitas e o reconhecimento dos direitos dos migrantes, independentemente de sua nacionalidade. Ano de Publicação: 2015
  • Nº 43: Migrações forçadas

    “O  aumento  das  pessoas  em  fuga,  nas  décadas  passadas,  tem  levado  a  comunidade  internacional  a  ampliar  o  conceito  de  refugiado  –  como  ocorreu  no  Protocolo  sobre  o  Estatuto  dos  Refugiados  (1967),  na  Convenção  para  Tratar  dos  Aspectos Específicos do Problema dos Refugiados na África (1969) e na Declaração de Cartagena (1984) – e, principalmente, a debater formas de proteção para as novas tipologias de migração forçada. No entanto, a reflexão permaneceu muito mais no âmbito da assistência às vítimas do que da prevenção do fenômeno.”

    Ano de Publicação: 2014

    R$10.00
    “O  aumento  das  pessoas  em  fuga,  nas  décadas  passadas,  tem  levado  a  comunidade  internacional  a  ampliar  o  conceito  de  refugiado  –  como  ocorreu  no  Protocolo  sobre  o  Estatuto  dos  Refugiados  (1967),  na  Convenção  para  Tratar  dos  Aspectos Específicos do Problema dos Refugiados na África (1969) e na Declaração de Cartagena (1984) – e, principalmente, a debater formas de proteção para as novas tipologias de migração forçada. No entanto, a reflexão permaneceu muito mais no âmbito da assistência às vítimas do que da prevenção do fenômeno.” Ano de Publicação: 2014
  • Nº: 42 Crianças e adolescentes migrantes

    “Até poucos anos atrás, o tema das crianças e adolescentes migrantes não  era  objeto  de  amplas  investigações  acadêmicas.  As  teorias  migratórias de cunho economicista não estavam muito interessadas num grupo humano pouco envolvido no mundo do trabalho.

    Ano de Publicação: 2014

    R$10.00
    “Até poucos anos atrás, o tema das crianças e adolescentes migrantes não  era  objeto  de  amplas  investigações  acadêmicas.  As  teorias  migratórias de cunho economicista não estavam muito interessadas num grupo humano pouco envolvido no mundo do trabalho. Ano de Publicação: 2014
  • Nº 41: Retorno e circularidade

    “O retorno para a terra de origem, enquanto possibilidade, constitui um elemento constitutivo do projeto migratório da grande maioria das pessoas em mobilidade. A migração, em princípio, antes que abandono é afastamento temporário de um espaço social para o qual se almeja regressar. Trata-se de um espaço social que continua vivo no migrante, enquanto memória do passado, ponto de referência para o presente diaspórico e, sobretudo, perspectiva para o futuro.

    Ano de Publicação: 2013

    R$5.00
    “O retorno para a terra de origem, enquanto possibilidade, constitui um elemento constitutivo do projeto migratório da grande maioria das pessoas em mobilidade. A migração, em princípio, antes que abandono é afastamento temporário de um espaço social para o qual se almeja regressar. Trata-se de um espaço social que continua vivo no migrante, enquanto memória do passado, ponto de referência para o presente diaspórico e, sobretudo, perspectiva para o futuro. Ano de Publicação: 2013
  • Nº 40: Migração e saúde

    O deslocamento forçado de pessoas é um dos fenômenos que podem ser relacionados a conflitos políticos e sociais, guerras e catástrofes naturais. Essas partidas não-planejadas são frequentemente acompanhadas de sofrimento psicológico diretamente ligado às perdas e ao traumatismo ao qual foram submetidas. Este artigo tem por objetivo apresentar observações realizadas no Serviço de Atendimento Psicológico Especializado aos Imigrantes e Refugiados (Sapsir), da Universidade Laval, Canadá. O trabalho clínico desenvolvido com pessoas oriundas de mais de 40 nacionalidades permitiu ressaltar quadros psicopatológicos mais frequentemente observados e estabelecer períodos críticos do processo de adaptação que tendem a expor tais pessoas a uma maior vulnerabilidade psicológica. Essas observações permitem pensar em políticas de acolhimento e de atendimento (saúde e social) de refugiados, que permitam prevenir um maior sofrimento psíquico e contribuir para uma melhor adaptação.

    Ano de Publicação: 2013

    R$5.00
    O deslocamento forçado de pessoas é um dos fenômenos que podem ser relacionados a conflitos políticos e sociais, guerras e catástrofes naturais. Essas partidas não-planejadas são frequentemente acompanhadas de sofrimento psicológico diretamente ligado às perdas e ao traumatismo ao qual foram submetidas. Este artigo tem por objetivo apresentar observações realizadas no Serviço de Atendimento Psicológico Especializado aos Imigrantes e Refugiados (Sapsir), da Universidade Laval, Canadá. O trabalho clínico desenvolvido com pessoas oriundas de mais de 40 nacionalidades permitiu ressaltar quadros psicopatológicos mais frequentemente observados e estabelecer períodos críticos do processo de adaptação que tendem a expor tais pessoas a uma maior vulnerabilidade psicológica. Essas observações permitem pensar em políticas de acolhimento e de atendimento (saúde e social) de refugiados, que permitam prevenir um maior sofrimento psíquico e contribuir para uma melhor adaptação. Ano de Publicação: 2013
  • Nº 39: Migrações e dados estatísticos

    “É  bastante  comum,  nos  dias  de  hoje,  ouvir  falar  da  intensificação  dos  deslocamentos populacionais. A época contemporânea já foi chamada de “era das migrações”: nunca a humanidade, no decorrer de sua longa história, passou por deslocamentos geográficos tão amplos, diversificados e globalizados.

    Ano de Publicação: 2012

    R$5.00
    “É  bastante  comum,  nos  dias  de  hoje,  ouvir  falar  da  intensificação  dos  deslocamentos populacionais. A época contemporânea já foi chamada de “era das migrações”: nunca a humanidade, no decorrer de sua longa história, passou por deslocamentos geográficos tão amplos, diversificados e globalizados. Ano de Publicação: 2012
  • Nº 38: Conviver con o diferente

    “Tzvetan  Todorov,  no  conhecido  livro  A  conquista  da  América, levanta  a  questão  sobre  os  desafios  inerentes  ao  encontro  com  a  alteridade.   Analisando   os   escritos   de   Cristóvão   Colombo,   Todorov   sustenta  que  para  o  navegador  genovês  os  índios,  às  vezes,  “são  seres  completamente humanos, com os mesmos direitos que ele, e aí considera-os não somente iguais, mas idênticos, e este comportamento desemboca no  assimilacionismo”.

    Ano de Publicação: 2012

    R$5.00
    “Tzvetan  Todorov,  no  conhecido  livro  A  conquista  da  América, levanta  a  questão  sobre  os  desafios  inerentes  ao  encontro  com  a  alteridade.   Analisando   os   escritos   de   Cristóvão   Colombo,   Todorov   sustenta  que  para  o  navegador  genovês  os  índios,  às  vezes,  “são  seres  completamente humanos, com os mesmos direitos que ele, e aí considera-os não somente iguais, mas idênticos, e este comportamento desemboca no  assimilacionismo”. Ano de Publicação: 2012
  • Nº 36: Refugiados Ambientais

    “O  filosofo  francês  Michel  Serres,  num  estudo  sobre  a  recente crise  econômica,  defende  a  necessidade  de  incluir  nas  agendas  políticas nacionais  e  internacionais  a  questão  do  meio-ambiente.  Seja  qual  for  o objeto  em  pauta  haverá  sempre  um  terceiro  sujeito  envolvido:  o  planeta terra. Segundo ele, a superação de crises ou conflitos passa inevitavelmente também pelo cuidado ambiental (cf. Tempo di crisi , 2009).

    Ano de Publicação: 2011

    R$5.00
    “O  filosofo  francês  Michel  Serres,  num  estudo  sobre  a  recente crise  econômica,  defende  a  necessidade  de  incluir  nas  agendas  políticas nacionais  e  internacionais  a  questão  do  meio-ambiente.  Seja  qual  for  o objeto  em  pauta  haverá  sempre  um  terceiro  sujeito  envolvido:  o  planeta terra. Segundo ele, a superação de crises ou conflitos passa inevitavelmente também pelo cuidado ambiental (cf. Tempo di crisi , 2009). Ano de Publicação: 2011
  • Nº 34: Migração e identidades

    “O  tema  da  construção  identitária  tornou-se  foco  de  numerosos debates  na  época  contemporânea.  O  ser  humano,  outrora  chamado a descobrir sua  identidade  no  interior  de  uma  ordem  pré-estabelecida, interpreta-se  hoje  como  sujeito  autônomo,  preocupado  em inventar, construir  e  desconstruir  constantemente  suas  identificações  históricas.  A identidade tornou-se flexível, provisória, relacional, histórica, contrastiva, periodicamente  remodelada  em  confronto  com  a  alteridade.  Rejeita-se toda identificação demasiado estática e sólida, pois seria um fardo, uma limitação da liberdade de escolha (Bauman; Santos).”

    Ano de Publicação: 2009

    R$5.00
    “O  tema  da  construção  identitária  tornou-se  foco  de  numerosos debates  na  época  contemporânea.  O  ser  humano,  outrora  chamado a descobrir sua  identidade  no  interior  de  uma  ordem  pré-estabelecida, interpreta-se  hoje  como  sujeito  autônomo,  preocupado  em inventar, construir  e  desconstruir  constantemente  suas  identificações  históricas.  A identidade tornou-se flexível, provisória, relacional, histórica, contrastiva, periodicamente  remodelada  em  confronto  com  a  alteridade.  Rejeita-se toda identificação demasiado estática e sólida, pois seria um fardo, uma limitação da liberdade de escolha (Bauman; Santos).” Ano de Publicação: 2009
  • Nº 33: Migração e Desenvolvimento

    “Nos  últimos  anos,  o  debate  sobre  migrações  e  desenvolvimento entrou na pauta de governos, universidades e sociedade civil. Trata-se de um tema extremamente complexo, sobretudo em decorrência da polissemia do termo desenvolvimento, cujo significado é amplo e diversificado – fala-se,  por  exemplo,  em  desenvolvimento  econômico,  tecnológico,  social, humano, sustentável etc..”

    Ano de Publicação: 2009

    R$5.00
    “Nos  últimos  anos,  o  debate  sobre  migrações  e  desenvolvimento entrou na pauta de governos, universidades e sociedade civil. Trata-se de um tema extremamente complexo, sobretudo em decorrência da polissemia do termo desenvolvimento, cujo significado é amplo e diversificado – fala-se,  por  exemplo,  em  desenvolvimento  econômico,  tecnológico,  social, humano, sustentável etc..” Ano de Publicação: 2009
  • Nº 32: Redes Migratórias

    “A auto-organização e o protagonismo de migrantes, emergentes nos últimos anos, e o esforço das instituições que promovem e defendem seus direitos e projetos têm focalizado as atenções e revelado a complexidade que caracteriza os deslocamentos populacionais. Neste processo de aproximação ao tema a partir de uma pluralidade de abordagens, interesses e objetivos, a pesquisa e a produção científica têm representado um papel determinante, seja para o conhecimento do fenômeno e de seus interlocutores, seja para o fomento das possibilidades de superação de leituras e interpretações unilaterais, com a multiplicação de  olhares  e  saberes  sobre  o  tema.”

    Ano de Publicação: 2009

    R$5.00
    “A auto-organização e o protagonismo de migrantes, emergentes nos últimos anos, e o esforço das instituições que promovem e defendem seus direitos e projetos têm focalizado as atenções e revelado a complexidade que caracteriza os deslocamentos populacionais. Neste processo de aproximação ao tema a partir de uma pluralidade de abordagens, interesses e objetivos, a pesquisa e a produção científica têm representado um papel determinante, seja para o conhecimento do fenômeno e de seus interlocutores, seja para o fomento das possibilidades de superação de leituras e interpretações unilaterais, com a multiplicação de  olhares  e  saberes  sobre  o  tema.” Ano de Publicação: 2009
  • Nº 30: Família migrante

    “A auto-organização e o protagonismo de migrantes, emergentes nos últimos anos, e o esforço das instituições que promovem e defendem seus direitos e projetos têm focalizado as atenções e revelado a complexidade que caracteriza os deslocamentos populacionais. Neste processo de aproximação ao tema a partir de uma pluralidade de abordagens, interesses e objetivos, a pesquisa e a produção científica têm representado um papel determinante, seja para o conhecimento do fenômeno e de seus interlocutores, seja para o fomento das possibilidades de superação de leituras e interpretações unilaterais, com a multiplicação de  olhares  e  saberes  sobre  o  tema.”

    Ano de Publicação: 2008

    R$5.00
    “A auto-organização e o protagonismo de migrantes, emergentes nos últimos anos, e o esforço das instituições que promovem e defendem seus direitos e projetos têm focalizado as atenções e revelado a complexidade que caracteriza os deslocamentos populacionais. Neste processo de aproximação ao tema a partir de uma pluralidade de abordagens, interesses e objetivos, a pesquisa e a produção científica têm representado um papel determinante, seja para o conhecimento do fenômeno e de seus interlocutores, seja para o fomento das possibilidades de superação de leituras e interpretações unilaterais, com a multiplicação de  olhares  e  saberes  sobre  o  tema.” Ano de Publicação: 2008
  • Nº 29: Feminização das migrações

    “Recentes  relatórios  de  organismos  multilaterais  confirmam  o

    progressivo aumento da participação feminina nas migrações internacionais. Para  designar  essa  realidade,  fala-se  com  insistência  em  “feminização das  migrações”  visando  destacar  tanto  as  mudanças  quantitativas, quanto  as  transformações  do  perfil  da  mulher  migrante  no  contexto contemporâneo.”

    Ano de Publicação: 2007

    R$5.00
    “Recentes  relatórios  de  organismos  multilaterais  confirmam  o progressivo aumento da participação feminina nas migrações internacionais. Para  designar  essa  realidade,  fala-se  com  insistência  em  “feminização das  migrações”  visando  destacar  tanto  as  mudanças  quantitativas, quanto  as  transformações  do  perfil  da  mulher  migrante  no  contexto contemporâneo.” Ano de Publicação: 2007
  • Nº 28: Migração e religião

    O presente texto estuda o impacto da situação social enfrentada pelo migrante em sua fé cristã. Começa mostrando a importância da cultura local e da própria religião para a construção da identidade social do indivíduo. Em seguida, descreve como o entorno cultural com suas mudanças sucessivas, bem como o contexto religioso pluralista, constitui hoje autênticos desafios já para todos nós. Finalmente examina a situação do migrante cristão na atual sociedade e como ele deve se relacionar com seu entorno pluralista e mutante.

    Ano de Publicação: 2007

    R$5.00
    O presente texto estuda o impacto da situação social enfrentada pelo migrante em sua fé cristã. Começa mostrando a importância da cultura local e da própria religião para a construção da identidade social do indivíduo. Em seguida, descreve como o entorno cultural com suas mudanças sucessivas, bem como o contexto religioso pluralista, constitui hoje autênticos desafios já para todos nós. Finalmente examina a situação do migrante cristão na atual sociedade e como ele deve se relacionar com seu entorno pluralista e mutante. Ano de Publicação: 2007
  • Nº 26/27: Projeto Migratório

    “A abrangência da temática do fenômeno migratório, das diferentes

    categorias de pessoas e grupos em mobilidade e o número de interlocutores implicados nestes processos vêm aumentando consideravelmente. Como conseqüência,  os  estudos  que  lhe  dizem  respeito  se  multiplicam.  As instâncias  da  cultura  e  da  sociedade,  da  política  e  das  relações  internacionais,  da  Igreja  e  de  todos  os  níveis  de  poder  institucionalizado  são desafiadas  a  qualificar  seu pensamento  e  sua  ação  quando  interpeladas pela mobilidade humana.”

    Ano de Publicação: 2006

    R$5.00
    “A abrangência da temática do fenômeno migratório, das diferentes categorias de pessoas e grupos em mobilidade e o número de interlocutores implicados nestes processos vêm aumentando consideravelmente. Como conseqüência,  os  estudos  que  lhe  dizem  respeito  se  multiplicam.  As instâncias  da  cultura  e  da  sociedade,  da  política  e  das  relações  internacionais,  da  Igreja  e  de  todos  os  níveis  de  poder  institucionalizado  são desafiadas  a  qualificar  seu pensamento  e  sua  ação  quando  interpeladas pela mobilidade humana.” Ano de Publicação: 2006