Foco e Escopo

O objetivo da REMHU é oferecer ao mundo acadêmico e aos pensadores e articuladores da pastoral e das políticas migratórias análises interdisciplinares, amplas e aprofundadas de temas ligados à mobilidade humana.

Processo de Avaliação pelos Pares

A REMHU é aberta a contribuições nacionais e internacionais (português, inglês, espanhol, italiano e francês). Na seleção dos manuscritos para publicação, avaliam-se a originalidade, a relevância do tema e a qualidade da metodologia científica utilizada, além da adequação às normas editoriais adotadas pela revista. Todos os manuscritos submetidos à revista são avaliados pelo Editor-Chefe e revisados por dois ou mais referees especialistas no tema e anônimos, sendo o sigilo garantido em todo o processo de revisão. Os manuscritos aceitos serão enviados para os autores para que sejam efetuadas as eventuais modificações e para que os mesmos tomem conhecimento das alterações a serem introduzidas no processo de edição. Os autores deverão retornar o texto com as modificações solicitadas, devendo justificar na carta de encaminhamento, se for o caso, o motivo do não atendimento de sugestões. Ao final do processo a comissão editorial tomará a decisão quanto à aprovação ou não.

Periodicidade

A REMHU, Revista Interdisciplinar da Mobilidade Humana é uma revista quadrimestral.

 

Política de Acesso Livre

Esta revista oferece acesso livre ao seu conteúdo, seguindo o princípio de que disponibilizar gratuitamente o conhecimento científico ao público proporciona maior democratização mundial do conhecimento.

Apresentação da REMHU

A Revista Interdisciplinar da Mobilidade Humana - REMHU é uma publicação semestral do Centro Scalabriniano de Estudos Migratórios - CSEM, das Irmãs Missionárias de São Carlos Borromeo - Scalabrinianas. A Revista publica artigos acadêmicos resultantes de pesquisas originais teóricas ou de campo relacionados ao tema das migrações em seus diversos aspectos.
 
Seu objetivo é oferecer ao mundo acadêmico, aos pensadores e articuladores das políticas migratórias e da pastoral, análises interdisciplinares sobre temas ligados à mobilidade humana contemporânea em nível internacional.
 
A REMHU, seguindo a missão própria do CSEM, prioriza em seus estudos e publicações a circulação de saberes e estudos que favoreçam a defesa e promoção dos direitos humanos das pessoas e dos povos em mobilidade.
 
A revista REMHU é dividida em quatro sessões principais. Após o Editorial, há um "Dossiê" sobre um tema específico referente ao mundo das migrações em nível internacional. Esta seção é composta de artigos científicos de investigação e ensaios teóricos que oferecem diferentes perspectivas acadêmicas sobre o tema a ser tratado, sendo contempladas, dependendo dos casos, abordagens de cunho sociológico, psicológico, antropológico, demográfico, etnológico, jurídico, estatístico, teológico e pastoral, entre outras.
 
A seção "Artigos" é composta por textos acadêmicos sobre qualquer tema relativo ao fenômeno migratório.
 
A terceira seção, "Relatos e reflexões", inclui reflexões e comentários sobre questões migratória; entrevistas realizadas com pessoas ou representantes de organizações cuja atuação está relacionada com o tema da revista ou com questões afins; relatos de  pessoas diretamente envolvidas no fenômeno das migrações; testemunhos do serviço sócio-pastoral junto a migrantes e refugiados, com foco, sobretudo, no trabalho pastoral e educativo das irmãs scalabrinianas.
 
Por último, a REMHU apresenta uma seção de "Resenhas, Teses e Dissertações", em que oferece ao leitor uma avaliação crítica de publicações recentes e breves resumos de teses e dissertações relativas ao mundo das migrações.
 
Os textos são publicados em até 5 idiomas: português, italiano, espanhol, inglês e francês.
 
O título abreviado do periódico é REMHU, Rev. Interdiscip. Mobil. Hum. (Impr.), que deve ser usado em bibliografias, notas de rodapé, referências e legendas bibliográficas.

Normas para a publicação

Os manuscritos devem acoplar uma lauda de identificação contendo: título do artigo no idioma original e em inglês; nota autoral (no caso de autoria múltipla, indicar o nome dos autores em ordem de responsabilidade na elaboração do trabalho); descrição dos autores (profissão, vínculo institucional, título acadêmico, endereço postal e e-mail).

Os resumos dos manuscritos das seções Dossiê e Artigos deverão ser enviados no idioma original e em inglês, ressaltando os dados mais significativos do trabalhos.

1) Observações Gerais sobre elaboração do manuscrito

Formato do manuscrito: espaço simples, A4, Times New Roman, tamanho 12.

Extensão dos manuscritos: entre 35.000 e 45.000 caracteres com espaço, para os artigos das seções Dossiê e Artigos (incluindo o resumo, abstract, notas de rodapé e, no máximo, uma página de bibliografia essencial); entre 10 e 20 mil caracteres com espaços para a seção "Relatos e reflexões"; até 3.500 caracteres com espaço para a seção "Resenhas, teses e dissertações".

Tabelas: deverão ser inseridas no corpo do texto, numeradas sequencialmente e com a devida indicação de fonte e/ou autoria.

Gráficos: devem seguir a mesma orientação das tabelas. Para não comprometer o padrão estético da Revista e o processo de digitalização os gráficos devem sem enviados também em Excel.

Figuras, fotos e ilustrações: devem ser numeradas sequencialmente e enviadas em alta resolução em arquivos separados.

A primeira vez que siglas ou abreviaturas forem mencionadas indicar sua equivalência por extenso. Não utilizar siglas e abreviaturas no resumo ou no título do artigo.

2) Referências no corpo do texto

Citação com até 3 linhas: o corpo do texto, entre aspas duplas ("..."), sem itálico.

Citação com mais de 3 linhas: em parágrafo destacada no texto (com recuo de 2 cm), sem aspas, sem itálico e com fonte Times New Roman, tamanho 10.

As 'aspas simples' são utilizadas para indicar citação no interior da citação.
Não usar o sistema de citação "autor-data" no corpo de texto (Ex: SILVA, 1986, p. 23). As referências devem ser mencionadas ao longo das notas de rodapé.

3) Notas de Rodapé

Devem conter apenas: o nome do autor (SOBRENOME, nome por extenso), o título da obra (em itálico) e o número da página citada (se for o caso). As outras indicações complementares estarão contidas na bibliografia final. Se a referência não estiver citada na bibliografia final, deverão constar no rodapé as indicações complementares: cidade, editora e ano de publicação.

Usar:

Idem - Para fazer referência, subsequente, de um mesmo autor.
Ibidem - Para fazer referência, subsequente, de um mesmo autor, de uma mesma obra.
Op. cit. - Para referenciar uma mesma obra.
Apud - Para referenciar um autor, a cuja obra o pesquisador NÃO teve acesso, que está indicado num livro ao qual o pesquisador TEVE acesso.
Cf. - Significando confira, compare.
Et alii - Quando há mais de três autores: citar o sobrenome do primeiro autor seguido pela expressão, significando "e outros".

4) Bibliografia Final

Ao final do artigo: relacionados em ordem alfabética pelo sobrenome (em caixa alta). A segunda e demais referências de um mesmo autor (ou autores) devem ser substituídas por um traço sublinear (oito espaços) e ponto.

Livro: SOBRENOME, prenome do(s) autor(es). Título (em itálico): subtítulo. Local: Editora, ano da publicação.

Ex.: BAGGIO, Marileda. Entre dois mundos: a Igreja no pensar e no agir de Giovanni Battista Scalabrini. Brasília: CSEM, 2011.

Capítulo de livro: SOBRENOME, prenome do(s) autor(es). Título do capítulo. In SOBRENOME, prenome do(s) autor(es) ou organizador(es). Título (em itálico): subtítulo. Local: Editora, ano de publicação, páginas inicial-final do capítulo referenciado.

Ex.: CAVALCANTI, Leonardo. A imigração brasileira na Espanha. Mercado de trabalho, globalização e projetos migratórios. In PEREIRA, Glória Maria Santiago; PEREIRA, José de Ribamar Sousa (orgs).Migração e globalização: um olhar interdisciplinar. Curitiba: CRV, 2012.

Artigos em revistas/periódicos: SOBRENOME prenome do(s) autor(es). Título do artigo. Nome da revista/periódico (em itálico), volume, número e ano, páginas do artigo.

Ex.: BAENINGER, Rosana. Racismo e sua negação: o caso dos migrantes bolivianos em São Paulo.Travessia, v. XXIV, n. 68, junho/2011, p. 49-62.

Texto em meio eletrônico: SOBRENOME, Nome. Título. Data. Fonte. Disponível em: <endereço eletrônico>.  Acesso em: ______.

Ex.: SANTIN, Terezinha. Fórum Social Mundial das Migrações. 2012. Disponível em: <http://www.csem.org.br/evento/644-forum-social-mundial-das-migracoes>. Acesso em: 12.12.2012.

Observações:

A revista não se responsabiliza pelas referências bibliográficas fornecidas pelos autores.

Os trabalhos, mesmo que não aceitos para publicação, não serão devolvidos.

Os artigos originais enviados deverão estar definitivamente revistos e adequados às novas regras da língua portuguesa.

Os conceitos e declarações contidos nos trabalhos são de total responsabilidade dos autores.

Os trabalhos refletem as opiniões de seus autores e não necessariamente as do Comitê Editorial.

Indexadores

Scielo Brasil, biblioteca eletrônica que abrange uma coleção selecionada de periódicos científicos brasileiros

Redalyc, Red de Revistas Cientificas de America Latina y el Caribe,España y Portugal. Impulsada por la UAEM para la difusion de la ciencia en acceso abierto

CLASE, base de datos bibliográfica creada en 1975 en la Universidad Nacional Autónoma de México (UNAM)

Latindex, Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal

Index Psi Periódicos, base indexadora da literatura publicada em Periódicos Científicos brasileiros em Psicologia 

DOAJ, Directory of Open Access Journals

Histórico do periódico

Até dezembro de 2005 a revista do CSEM foi publicada com o título “Scalabriniane nel mondo”. Era uma publicação semestral relativa à atuação sócio-pastoral das Irmãs Missionárias de São Carlos Borromeo, Scalabrinianas a serviço de migrantes e refugiados em diferentes países e realidades.

A partir de 2006, o Centro de Estudos começou a publicação da Revista Interdisciplinar da Mobilidade Humana, REMHU.

Desde então foram publicados os seguintes números:

2006 – Projeto Migratório – ano XIV, n. 26 e 27, 308 pp.

2007 – Migração e religião – ano XV, n. 28, 274 pp.

2007 – Feminização das migrações – ano XV, n. 29, 228 pp.

2008 – Família migrante – ano XV, n. 30, 272 pp.

2008 – Migrações Internacionais e Direitos Humanos – ano XVI, n. 31, 592 pp.

2009 – Redes Migratórias – ano XVII, n. 32, 251 pp.

2009 – Migração e Desenvolvimento – ano XVII, n. 33 – jul./dez., 344 pp.

2010 – Migração e identidades – ano XVIII, n. 34 – jan./jun., 264 pp.

2010 – Políticas Migratórias - ano XVIII, n. 35 - jul./dez., 304 pp.

2011 – Refugiados Ambientais - ano XIX, n. 36 - jan./jun., 298 pp.

2011 – Tráfico de pessoas - ano XIX, n. 37 - jul./dez., 312 pp.

2012 – Conviver con o diferente - ano XX, n. 38 - jan./jun., 308 pp.

2012 – Migrações e dados estatísticos - ano XX, n. 39 - jul./dez., 312 pp.

2013 – Migração e saúde - ano XXI, n. 40 - jan./jun., 280 pp.

2013 – Retorno e circularidade - ano XXI, n. 41 - jul./dez., 320 pp.

2014 – Crianças e adolescentes migrantes - ano XXII, n. 42 - jan./jun., 296 pp.

2014 – Migrações forçadas - ano XXII, n. 43 - jul./dez., 296 pp.

2015 – Migrações e fronteiras - ano XXIII, n. 44 - jan./jun., 284 pp.

2015 – Criminalização das Migrações  - ano XXIII, n. 45 - jul./dez., 324 pp.

2016 – Migraçõs, meios de comunicação e processos comunicacionais  - ano XXIV, n. 46 - jan./abr., 220 pp.

2016 – O protagonismo dos migrantes  - ano XXIV, n. 47 - mai./ago., 224 pp.

2016 - Movimentos sociais e mobilizações de migrantes e refugiados - ano XXIV, n. 48 - set./dez., 220 pp.