A- A A+

Violência na República Democrática do Congo aumenta número de refugiados forçados a se deslocar ao leste

Milhares de crianças, mulheres e homens abandonaram suas casas devido ao aumento de operações militares contra os grupos armados Mai Mai na província de Kivu do Sul.

GENEBRA, Suíça, 05 de fevereiro de 2018 (ACNUR) – O ACNUR, a Agência da ONU para Refugiados, está preocupado com o recente aumento de violência no leste da República Democrática do Congo (RDC) que tem forçado um grande número de congoleses a se deslocar para o leste, em direção a países como Burundi, Tanzânia e Uganda.

Milhares de crianças, mulheres e homens abandonaram suas casas devido ao aumento de operações militares contra os grupos armados Mai Mai na província de Kivu do Sul. Desde a semana passada, quase 7.000 pessoas cruzaram a fronteira com o Burundi e outras 1.200 foram para a Tanzânia. Ademais, acredita-se que existam muito mais civis deslocados no Kivu do Sul que estariam vivendo em condições precárias pela falta de abrigo e comida.

O ACNUR entrevistou refugiados que afirmam terem sido obrigados a deixar suas casas por conta do recrutamento forçado, atos de violência e abusos cometidos por grupos armados. Outros dizem ter saído da região por medo e para evitar que se envolvessem em futuras operações militares. É indispensável garantir a essas pessoas que são forçadas a deixar suas casas por causa de violência um percurso seguro, bem como o acesso humanitário para ajudar os deslocados.

A maioria dos refugiados congoleses que estão chegando no Burundi cruzam o lago Tanganica em pequenos barcos pesqueiros. As condições de recepção nas zonas costeiras de Nyanza-Lac e Rumonge são precárias, com acesso extremamente limitado aos abrigos, infraestruturas de saneamento básico, água potável e comida. Em colaboração com as autoridades e seus parceiros, o ACNUR está transferindo os refugiados para centros de trânsito e acampamentos – já lotados – no norte e leste de Burundi.

Os congoleses não são o único grupo afetado pelo aumento dos atos de violência. O ACNUR também está preocupado com a situação de mais de 43.000 refugiados burundeses que estão no Kivu do Sul, principalmente em Lusenda e Mulongwe. Ainda que os dois locais não tenham sido afetados diretamente pelos enfrentamentos, o ACNUR pede que as partes do conflito respeitem o caráter humanitário dos locais onde estão os refugiados e que se abstenham de realizar qualquer atividade que possa dificultar a distribuição de assistência humanitária.

Os congoleses que chegam à Tanzânia também seguem pelo lago Tanganica, cruzando diretamente o Kivu do Sul até a cidade de Kigoma e seus arredores. Muitos chegam exaustos e doentes. A vinda de refugiados está exercendo uma enorme pressão sobre as infraestruturas de acolhida, água e saneamento, e muitos não têm outra opção ao não ser dormir ao ar livre. O ACNUR está mobilizando assistência humanitária – incluindo comida, água e assistência médica – para as zonas de acolhida dos refugiados. O ACNUR também está se preparando para transferir os recém-chegados para o campo de refugiados de Nyarugusu, no noroeste do país.

Em Uganda, o número de chegada de congoleses também aumentou por conta dos conflitos no norte da RDC: tanto a violência entre as comunidades na província de Ituri, como a atividade de grupos armados e as ofensivas no Kivu do Norte são responsáveis pelos deslocamentos. Desde dezembro, mais de 15.000 pessoas entraram em Uganda a pé ou cruzando o lago Alberto em barcos de pesca ou canoas. O número de chegadas em janeiro – uma média de 330 pessoas ao dia – quadruplicou os números de dezembro. O ACNUR está apoiando os esforços das autoridades para acolher os recém-chegados e transferi-los para dois acampamentos: Kyangwali, cerca de 50 quilômetros ao leste do lago Alberto, e Kyaka II, no sudoeste do país.

O ACNUR está grato e reconhece o esforço dos países vizinhos por acolher os refugiados da República Democrática do Congo e, tendo em conta as urgentes necessidades, solicita aos governos desses países que mantenham suas fronteiras abertas para aqueles são forçados a deixar suas casas por causa do conflito. A situação na República Democrática do Congo é uma das mais complexas do mundo e piorou em virtude do aumento de vários conflitos locais. No início de 2018, existiam cerca de 5 milhões de congoleses deslocados: aproximadamente 674.879 refugiados em outros países africanos e ao redor de 4.35 milhões de deslocados internos. Esses números colocam a RDC entre os países com as maiores crises de deslocamentos do mundo.

Fonte: www.acnur.org

COMPARTILHE
NOTÍCIAS

Governo francês apresenta texto de lei para diminuir espera por status de refúgio no país

COMPARTILHE

Ideia é reduzir de 13 para 6 meses o tempo de espera do requerente de refúgio. No ano passado, a França julgou mais de 85 mil pedidos, sendo que 66,8% deles foram rejeitados

Leia mais...

I ritorni forzati in Nigeria devono essere evitati

COMPARTILHE

L’UNHCR, l’Agenzia Onu per i Rifugiati, esprime preoccupazione per l’ultimo episodio in cui rifugiati in Camerun sono stati obbligati a tornare nel nord nella Nigeria.

Leia mais...
BIBLIOTECA

biblioteca

O CSEM possui uma biblioteca especializada em migrações abrangendo em seu acervo aproximadamente 3 mil livros, periódicos e revistas científicas de vários países. 

Para consultar nossa biblioteca online visite o site da biblioteca e pesquise em nosso acervo.Horário de funcionamento: segunda a sexta-feira, das 9h às 17h


Centro Scalabriniano de Estudos Migratórios - CSEM
SRTV/N Edificio Brasília Radio Center
Conj. P - Qd. 702 - Sobrelojas 01/02
CEP: 70719-900 - Brasília - DF / Brasil
Tel/Fax: +55 (61) 3327 0669
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

twitter   facebook