A- A A+

Alto comissário da ONU fala sobre possível "limpeza étnica" em Mianmar

 Em discurso ao Conselho de Direitos Humanos, Zeid al Hussein pede à comunidade internacional que ajude refugiados; ele citou ainda "manipulação" para minoria rohingya não possa mais retornar ao país.

Eleutério Guevane, da ONU News em Nova Iorque.*

O alto comissário das Nações Unidas para Direitos Humanos declarou esta terça-feira , em Genebra, que Mianmar tem de autorizar a entrada de peritos ao país.

Falando ao Conselho de Direitos Humanos sobre a violência à minoria rohingya, Zeid al Hussein disse que apesar de as autoridades não terem permitido a entrada do pessoal do seu escritório, a situação "parece um exemplo de limpeza étnica".

Prova de nacionalidade

Zeid se disse chocado com relatos de que Mianmar estaria a colocar minas terrestres ao longo da fronteira com Bangladesh. Ele repudiou ainda as declarações oficiais de que as pessoas que fogem da violência só terão permissão para retornar se tiverem "prova de nacionalidade".

A Agência da ONU para Migrações, OIM, afirmou que 330 mil pessoas já escaparam dos confrontos.

Para o chefe de Direitos Humanos, essa medida é uma "manipulação cínica" para que um grande número de pessoas seja transferido à força sem a chance de retornar.
Comissão

Ele lembrou que desde 1962 os vários governos de Mianmar despojaram os rohingyas de seus direitos políticos e civis, incluindo o direito à cidadania.

Zeid citou também que isso foi reconhecido pela Comissão Consultiva sobre Rakhine formada pela ministra das Relações Exteriores Aung San Suu Kyi.

O apelo ao Governo de Mianmar é que "deixe de dizer que os rohingyas estariam a incendiar as suas próprias casas e a arrasar com suas próprias aldeias".

Boa vontade

Para Zeid, trata-se de uma "completa negação da realidade" que causa grandes danos à posição internacional de um "governo que até recentemente se beneficiava de uma imensa boa vontade".

O outro pedido é que Mianmar acabe com a "cruel operação militar" permitindo que todas as violações ocorridas sejam punidas, e que a população rohingya deixe de ser discriminada.

O chefe de direitos humanos incentivou Bangladesh a manter as fronteiras abertas para os refugiados e pediu o apoio da comunidade internacional.

*Apresentação: Monica Grayley.

Fonte: www.unmultimedia.org

COMPARTILHE
NOTÍCIAS

Parceria entre Brasil e Acnur vai aprimorar concessão de vistos a refugiados

COMPARTILHE

 O presidente do Comitê Nacional para os Refugiados (Conare), Beto Vasconcelos, o Alto Comissário Assistente para Proteção da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), Volker Türk, e a Representante Permanente do Brasil junto à ONU em Genebra, Regina Dunlop, assinaram nesta segunda-feira (5), em Genebra (Suíça), um documento de cooperação que irá garantir mais eficiência ao Brasil no processo de concessão de vistos especiais a pessoas afetadas pelo conflito na Síria.

Leia mais...

Amnesty: 28.000 firme contro l'accordo con la Libia sul controllo dell'immigrazione

COMPARTILHE

Amnesty consegna al Viminale oltre 28.000 firme contro l'accordo con la Libia sul controllo dell'immigrazione

Leia mais...
BIBLIOTECA

biblioteca

O CSEM possui uma biblioteca especializada em migrações abrangendo em seu acervo aproximadamente 3 mil livros, periódicos e revistas científicas de vários países. 

Para consultar nossa biblioteca online visite o site da biblioteca e pesquise em nosso acervo.Horário de funcionamento: segunda a sexta-feira, das 9h às 17h


Centro Scalabriniano de Estudos Migratórios - CSEM
SRTV/N Edificio Brasília Radio Center
Conj. P - Qd. 702 - Sobrelojas 01/02
CEP: 70719-900 - Brasília - DF / Brasil
Tel/Fax: +55 (61) 3327 0669
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

twitter   facebook