A- A A+

Refugiados recebem capacitação para se tornarem empreendedores no Rio de Janeiro

Curso realizado pelas Cáritas RJ em parceria com o Sebrae-RJ pretende incentivar o empreendedorismo entre refugiados com potencial para formar negócios próprios.

Rio de Janeiro, 16 de maio de 2017 - Refugiada no Brasil há cinco anos, a colombiana Nelly Camacho encontrou no empreendedorismo a saída para contornar o desemprego. Apesar da experiência de 20 anos como professora em seu país, ela teve que se reinventar para ir atrás de um dos mais almejados e desafiadores objetivos dos refugiados: a independência financeira. "Ser estrangeiro não é fácil em nenhum lugar do mundo. Muitas vezes o idioma e a falta de conhecimentos no novo país podem dificultar a nossa vida. Por isso, decidi fazer empanadas colombianas e artesanato típico do meu país para vender por conta própria", afirmou Nelly.

Presença constante nas feiras gastronômicas do Rio de Janeiro, a colombiana tem alma de empreendedora, mas não domina todos os conhecimentos e habilidades que podem levar à profissionalização do seu negócio. Foi para pessoas como ela e para outros refugiados que ainda não deram o primeiro passo, mas têm perfil e talento para empreender, que nasceu o CORES (Coletivo de Refugiados Empreendedores). Lançado em maio deste ano, o projeto é uma iniciativa da Cáritas do Rio de Janeiro, em parceria com o Sebrae-RJ, para auxiliar na capacitação de refugiados e solicitantes de refúgio, oferecendo uma alternativa de inserção profissional e geração de renda.

"O CORES busca valorizar os talentos e a experiência que muitas vezes eles trazem consigo para o Brasil, reconhecendo, por outro lado, que o empreendedorismo envolve um conjunto de conhecimentos que precisam ser trabalhados para que experiências bem-sucedidas sejam alcançadas", explicou Nina Quiroga, Relações Institucionais da Cáritas RJ. "Isso vale para brasileiros e estrangeiros. No caso dos refugiados, o empreendedorismo pode representar uma alternativa à difícil entrada no mercado formal de empregos."

Para o refugiado sírio Anas Rjab, aluno do curso, as aulas vão contribuir para o crescimento do seu negócio de culinária árabe. "O CORES está me ajudando a desenvolver o meu projeto de bufê para eventos aqui no Brasil. As aulas são uma oportunidade muito boa de aprender a trabalhar com mais conhecimentos e a utilizar melhores técnicas para o meu negócio. A linguagem do curso também é fácil de entender, e isso facilita muito."

A primeira turma do projeto beneficia 18 refugiados de Angola, Colômbia, Nigéria, Paquistão, República Democrática do Congo, Síria, Togo e Venezuela, que participam de um curso de formação na sede do Sebrae-RJ. As aulas, que serão realizadas ao longo de três meses, foram divididas em dois módulos. No primeiro, com duração de dois meses, o conteúdo abordará questões mais gerais: as características de um empreendedor; como planejar um negócio; a legislação brasileira e o funcionamento de um MEI; o mercado brasileiro; auxílio na organização das finanças; e a identificação dos canais de vendas. No último mês, os refugiados terão aulas específicas, de acordo com a área de atuação, que neste primeiro momento poderá ser em moda ou gastronomia.

A costureira Odile Ndombasi Kumpala, da República Democrática do Congo, vê no CORES a possibilidade de conquistar o seu sonho: "Desde que cheguei, estou tentando aprender tudo o que posso para poder trabalhar com moda aqui no Rio de Janeiro. Quero ficar e construir uma vida neste país".

A plataforma de estudos do Sebrae RJ, adaptada para atender ao público de estrangeiros, oferece aos alunos ferramentas para o desenvolvimento de negócios por meio de exercícios em sala de aula e exemplos práticos de desafios do dia-a-dia. Para Juliana Cristina de Oliveira, gestora do Sebrae-RJ, o formato do curso visa "estimular o comportamento empreendedor e o empreendedorismo nos refugiados atendidos pela Cáritas RJ. Vamos ajudar os refugiados não só a estruturarem seus negócios, mas a se empoderarem e se verem como empreendedores que utilizam todo o conhecimento e a cultura de seus países como diferencial dos seus produtos".

Além da parceria com o Sebrae-RJ, o projeto tem o objetivo de desenvolver diálogos com instituições públicas e privadas para a inserção de refugiados empreendedores em espaços que representem oportunidades de geração de renda. Por fim, o CORES vislumbra uma fase de incubação dos negócios desenvolvidos, em parceria com organizações e empresas relevantes do mercado, bem como o incentivo à participação de refugiados em feiras, debates e palestras no âmbito da economia criativa e do empreendedorismo popular.

Por Marcelo Matos 

Fonte: ACNUR

COMPARTILHE
NOTÍCIAS

95% de las trabajadoras sexuales sufrió trata

COMPARTILHE

En la última década, este delito creció en 92% en el país, dijo la diputada Paco

Los delitos de trata y tráfico de seres humanos crecieron en  un 92% en la última década en Bolivia, mientras que el 80% de las víctimas son niñas, niños, adolescentes y mujeres. A esto se suma el hecho de que el 95% de las trabajadoras sexuales comenzó como víctimas de trata.

Leia mais...

Philippines poor in prosecuting trafficking cases — US gov’t

COMPARTILHE

 Despite the Philippine government’s efforts to combat human trafficking, the United States’latest global Trafficking in Persons (TIP) Report said it its overall number of convictions remained low.

Leia mais...
BIBLIOTECA

biblioteca

O CSEM possui uma biblioteca especializada em migrações abrangendo em seu acervo aproximadamente 3 mil livros, periódicos e revistas científicas de vários países. 

Para consultar nossa biblioteca online visite o site da biblioteca e pesquise em nosso acervo.Horário de funcionamento: segunda a sexta-feira, das 9h às 17h


Centro Scalabriniano de Estudos Migratórios - CSEM
SRTV/N Edificio Brasília Radio Center
Conj. P - Qd. 702 - Sobrelojas 01/02
CEP: 70719-900 - Brasília - DF / Brasil
Tel/Fax: +55 (61) 3327 0669
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

twitter   facebook