A- A A+

Brasil integra iniciativa internacional de combate ao tráfico de pessoas

Andreia Verdélio – Repórter da Agência Brasil*

A Organização das Nações Unidas (ONU) lançou hoje (19) no país a Ação Global para Prevenir e Combater o Tráfico de Pessoas e o Contrabando de Migrantes (GLO.ACT). Treze países da África, Ásia, Leste europeu e América Latina, incluindo o Brasil, participam do projeto de combate a esse tipo de crime, seja tráfico para fins laborais ou sexuais. O objetivo é garantir a adoção de uma abordagem dupla de prevenção e proteção.

A iniciativa é da União Europeia (UE) e do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crimes (Unodc), em parceria com a Organização Internacional para as Migrações (OIM) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

A GLO.ACT é uma resposta coordenada ao tráfico de pessoas e ao contrabando de migrantes e visa reforçar a resposta da justiça penal nos países estrategicamente selecionados: Bielorrússia, Brasil, Colômbia, Egito, Quirguistão, Mali, Marrocos, Nepal, Nigéria, Paquistão, Laos e Ucrânia. A organização estima que existam mais de 500 rotas de tráfico de pessoas em todo o mundo.

Segundo a analista de programa do Unodc, Fernanda Fuentes, existem várias formas de tráfico e contrabando de pessoas no Brasil. “Quando falamos sobre exploração sexual isso se nota mais, por exemplo, em Goiás, Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro. Se tem identificado também casos de crianças usadas como mulas no norte do país. As fronteiras secas, como são menos controladas, é onde uma organização criminal pode operar livremente”, disse.

Fernanda ressaltou, entretanto, que o Brasil é líder na região no trabalho pela erradicação do trabalho escravo.

Além da assistência dada às autoridades governamentais, a iniciativa do Unodc e da UE também beneficiará diretamente as organizações da sociedade civil, bem como atenderá vítimas de tráfico e contrabando de migrantes. As ações vão desde o desenvolvimento de políticas públicas, assistência legislativa, cooperação entre os países, proteção e assistência às vítimas traficadas até apoio às crianças, que formam, junto com as mulheres, a maior parcela de traficados no mundo.

No Brasil, secretário Nacional de Justiça e Cidadania, do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Astério dos Santos, revelou que não existem números precisos sobre estas práticas, mas afirmou que o país está atento a esse crime, principalmente no cenário de grande migração de venezuelanos para o norte do país.

“Devido ao nosso vasto território, muitas das pessoas migram e até retornam e não existe esse controle”, disse, contando que esses aspectos também serão abordados na nova lei de imigração, aprovada ontem (18) no Senado. A lei seguirá agora para sanção do presidente Michel Temer.

*Colaborou Graziele Bezerra, repórter do Radiojornalismo

Fonte: Agência Brasil

COMPARTILHE
NOTÍCIAS

Migranti uccisi per vendere gli organi, l'ultimo orrore dei trafficanti

COMPARTILHE

 Il racconto del trafficante pentito sul destino di chi non poteva pagarsi il viaggio. Smantellata rete internazionale, 38 fermi in tutta Italia

Leia mais...

Trata de personas flagelo mundial

COMPARTILHE

Uno de los mayores problemas que en la actualidad padece la humanidad es la trata de personas, un fenómeno de alcance global y uno de los delitos de mayor impacto humano y social, ya que atenta contra garantías individuales como la libertad, la integridad y la dignidad de las víctimas.

Leia mais...
BIBLIOTECA

biblioteca

O CSEM possui uma biblioteca especializada em migrações abrangendo em seu acervo aproximadamente 3 mil livros, periódicos e revistas científicas de vários países. 

Para consultar nossa biblioteca online visite o site da biblioteca e pesquise em nosso acervo.Horário de funcionamento: segunda a sexta-feira, das 9h às 17h


Centro Scalabriniano de Estudos Migratórios - CSEM
SRTV/N Edificio Brasília Radio Center
Conj. P - Qd. 702 - Sobrelojas 01/02
CEP: 70719-900 - Brasília - DF / Brasil
Tel/Fax: +55 (61) 3327 0669
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

twitter   facebook