A- A A+

Brasil integra iniciativa internacional de combate ao tráfico de pessoas

Andreia Verdélio – Repórter da Agência Brasil*

A Organização das Nações Unidas (ONU) lançou hoje (19) no país a Ação Global para Prevenir e Combater o Tráfico de Pessoas e o Contrabando de Migrantes (GLO.ACT). Treze países da África, Ásia, Leste europeu e América Latina, incluindo o Brasil, participam do projeto de combate a esse tipo de crime, seja tráfico para fins laborais ou sexuais. O objetivo é garantir a adoção de uma abordagem dupla de prevenção e proteção.

A iniciativa é da União Europeia (UE) e do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crimes (Unodc), em parceria com a Organização Internacional para as Migrações (OIM) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

A GLO.ACT é uma resposta coordenada ao tráfico de pessoas e ao contrabando de migrantes e visa reforçar a resposta da justiça penal nos países estrategicamente selecionados: Bielorrússia, Brasil, Colômbia, Egito, Quirguistão, Mali, Marrocos, Nepal, Nigéria, Paquistão, Laos e Ucrânia. A organização estima que existam mais de 500 rotas de tráfico de pessoas em todo o mundo.

Segundo a analista de programa do Unodc, Fernanda Fuentes, existem várias formas de tráfico e contrabando de pessoas no Brasil. “Quando falamos sobre exploração sexual isso se nota mais, por exemplo, em Goiás, Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro. Se tem identificado também casos de crianças usadas como mulas no norte do país. As fronteiras secas, como são menos controladas, é onde uma organização criminal pode operar livremente”, disse.

Fernanda ressaltou, entretanto, que o Brasil é líder na região no trabalho pela erradicação do trabalho escravo.

Além da assistência dada às autoridades governamentais, a iniciativa do Unodc e da UE também beneficiará diretamente as organizações da sociedade civil, bem como atenderá vítimas de tráfico e contrabando de migrantes. As ações vão desde o desenvolvimento de políticas públicas, assistência legislativa, cooperação entre os países, proteção e assistência às vítimas traficadas até apoio às crianças, que formam, junto com as mulheres, a maior parcela de traficados no mundo.

No Brasil, secretário Nacional de Justiça e Cidadania, do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Astério dos Santos, revelou que não existem números precisos sobre estas práticas, mas afirmou que o país está atento a esse crime, principalmente no cenário de grande migração de venezuelanos para o norte do país.

“Devido ao nosso vasto território, muitas das pessoas migram e até retornam e não existe esse controle”, disse, contando que esses aspectos também serão abordados na nova lei de imigração, aprovada ontem (18) no Senado. A lei seguirá agora para sanção do presidente Michel Temer.

*Colaborou Graziele Bezerra, repórter do Radiojornalismo

Fonte: Agência Brasil

COMPARTILHE
NOTÍCIAS

Gobierno colombiano presenta estrategia de lucha contra trata de personas

COMPARTILHE

 El Gobierno colombiano presentó una estrategia nacional para luchar contra la trata de personas y proteger y asistir a las víctimas de este delito a través de diferentes enfoques, informaron hoy fuentes oficiales. 

Leia mais...

Por boa convivência, imigrantes no AC separam dias de rituais religiosos

COMPARTILHE

 Muçulmanos e cristãos dizem que o mais importante é o respeito. Em novo abrigo, cada nacionalidade está instalada em um local diferente.

Leia mais...
BIBLIOTECA

biblioteca

O CSEM possui uma biblioteca especializada em migrações abrangendo em seu acervo aproximadamente 3 mil livros, periódicos e revistas científicas de vários países. 

Para consultar nossa biblioteca online visite o site da biblioteca e pesquise em nosso acervo.Horário de funcionamento: segunda a sexta-feira, das 9h às 17h


Centro Scalabriniano de Estudos Migratórios - CSEM
SRTV/N Edificio Brasília Radio Center
Conj. P - Qd. 702 - Sobrelojas 01/02
CEP: 70719-900 - Brasília - DF / Brasil
Tel/Fax: +55 (61) 3327 0669
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

twitter   facebook