A- A A+

Cai a presença de imigrantes em abrigo humanitário no Acre

Questões econômicas e diplomáticas diminuíram o fluxo de imigrantes haitianos e senegaleses que ingressam no Brasil pelo Acre, com passagem pelo abrigo humanitário na Chácara Aliança. Símbolo do traço desumano que marca a migração de caribenhos e africanos, o abrigo da Chácara Aliança, em Rio Branco, capital do Acre, registra, no segundo semestre de 2015, queda brusca na chegada de haitianos e senegaleses que buscam vida nova no Brasil.

Em maio deste ano, quando ZH esteve no local, mais de 600 homens e mulheres se acotovelavam em peças úmidas, sujas e fétidas, convivendo com doenças, falta de água, esgoto a céu aberto, colchões rasgados e mofados e banheiros inutilizáveis pelo acúmulo de dejetos.

No ápice, o abrigo humanitário de Rio Branco chegou a ter 1.297 imigrantes de uma só vez. Até abril de 2014, a acolhida era feita em Brasileia, cidade acriana distante 100 quilômetros da fronteira com o Peru. Naquele município, os picos indicavam a presença simultânea de 2,5 mil a 2,8 mil viajantes em galpões — a maioria absoluta de haitianos.

A realidade, agora, mudou. Em julho, a média de imigrantes na capital acriana despencou para cerca de 200 pessoas. E o decréscimo continua acentuado. Na última quarta-feira, 23 de dezembro, apenas sete estavam na chácara, sendo seis haitianos e um senegalês. Os naturais do Haiti, que sempre predominavam, pernoitando no local às centenas, passaram a ficar em contingente semelhante ao africano.

— A chegada dos haitianos reduziu em massa. A entrada dos senegaleses se manteve na média dos 40 por semana — explica Antonio Carlos Ferreira Crispim, um dos coordenadores do abrigo.

Três fatores são apontados como os mais decisivos para a retração na rota do Acre, que inclui a negociação com coiotes para atravessar República Dominicana, Panamá, Equador e Peru, antes da chegada ao Brasil. Um dos motivos é a crise econômica do país. Com muitos imigrantes desempregados e marginalizados, a rede de contatos dos haitianos fez chegar aos compatriotas a informação de que as condições, em terras brasileiras, não são as melhores.

— Já está sendo falada no Haiti a questão da crise. Ajudou a causar essa redução drástica — diz Esdras Hector, haitiano que ajuda na acolhida dos compatriotas no abrigo.

Os outros dois elementos envolvem cooperação internacional.

— O Ministério das Relações Exteriores aumentou o número de vistos concedidos na embaixada do Brasil em Porto Príncipe, capital do Haiti, para que a entrada deles ocorra de forma legal, pelos aeroportos. Agora são emitidos dois mil vistos por mês, antes o número não chagava a 100 — comenta o procurador-chefe do Ministério Público do Trabalho em Rondônia e Acre, Marcos Gomes Cutrim.

O último fator é o controle da circulação de haitianos na República Dominicana e no Equador, onde antes havia trânsito livre.

— A República Dominicana tem problemas diplomáticos com o Haiti. E, com a barreira no Equador, ficou mais difícil passar — conta Esdras.

Para Cutrim, chefe do MPT, o cenário indica que o ingresso de caribenhos no país se dará, cada vez mais, pelos aeroportos, com o visto humanitário emitido antes do desembarque.

— Essa rota do Acre tende a não ser mais utilizada pelos haitianos a partir dessas medidas— diz.

É um golpe nos coiotes, que cobram até US$ 3 mil para fazer a travessia dos caribenhos.

Com a redução de estrangeiros no abrigo de Rio Branco, as condições sanitárias e estruturais do local melhoraram. Equipes de limpeza atuam diariamente, banheiros antes semidestruídos e tomados por fezes passaram por reformas e agentes foram contratados por meio de um convênio para ajudar na confecção de documentos e ensino básico do português.

— Também não falta mais água. A única coisa em que ainda não conseguimos avançar foi nos colchões — conta Crispim.

Fonte: zh.clicrbs.com.br 26.12.2015

COMPARTILHE
NOTÍCIAS

Statistics Canada survey highlights immigration and religion shift

COMPARTILHE

Canada is steadily becoming a nation awash with immigrants whose own cultural traits — from religion to language — are being felt on streets in cities both big and small.

Leia mais...

Migranti, via libera al decreto Minniti-Orlando: ecco tutti i punti critici

COMPARTILHE

l Senato il governo incassa la fiducia. L’obiettivo per il ministro dell’Interno è snellire le procedure e assicurare regole certe per l’accoglienza. Ma è polemica sulle modalità introdotte: da Sant’Egidio fino all’Arci tutti contestano il decreto. Schiavone (Asgi): “Solo norma manifesto, nessun criterio di necessità e urgenza”

Leia mais...
BIBLIOTECA

biblioteca

O CSEM possui uma biblioteca especializada em migrações abrangendo em seu acervo aproximadamente 3 mil livros, periódicos e revistas científicas de vários países. 

Para consultar nossa biblioteca online visite o site da biblioteca e pesquise em nosso acervo.Horário de funcionamento: segunda a sexta-feira, das 9h às 17h


Centro Scalabriniano de Estudos Migratórios - CSEM
SRTV/N Edificio Brasília Radio Center
Conj. P - Qd. 702 - Sobrelojas 01/02
CEP: 70719-900 - Brasília - DF / Brasil
Tel/Fax: +55 (61) 3327 0669
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

twitter   facebook