A- A A+

Cai a presença de imigrantes em abrigo humanitário no Acre

Questões econômicas e diplomáticas diminuíram o fluxo de imigrantes haitianos e senegaleses que ingressam no Brasil pelo Acre, com passagem pelo abrigo humanitário na Chácara Aliança. Símbolo do traço desumano que marca a migração de caribenhos e africanos, o abrigo da Chácara Aliança, em Rio Branco, capital do Acre, registra, no segundo semestre de 2015, queda brusca na chegada de haitianos e senegaleses que buscam vida nova no Brasil.

Em maio deste ano, quando ZH esteve no local, mais de 600 homens e mulheres se acotovelavam em peças úmidas, sujas e fétidas, convivendo com doenças, falta de água, esgoto a céu aberto, colchões rasgados e mofados e banheiros inutilizáveis pelo acúmulo de dejetos.

No ápice, o abrigo humanitário de Rio Branco chegou a ter 1.297 imigrantes de uma só vez. Até abril de 2014, a acolhida era feita em Brasileia, cidade acriana distante 100 quilômetros da fronteira com o Peru. Naquele município, os picos indicavam a presença simultânea de 2,5 mil a 2,8 mil viajantes em galpões — a maioria absoluta de haitianos.

A realidade, agora, mudou. Em julho, a média de imigrantes na capital acriana despencou para cerca de 200 pessoas. E o decréscimo continua acentuado. Na última quarta-feira, 23 de dezembro, apenas sete estavam na chácara, sendo seis haitianos e um senegalês. Os naturais do Haiti, que sempre predominavam, pernoitando no local às centenas, passaram a ficar em contingente semelhante ao africano.

— A chegada dos haitianos reduziu em massa. A entrada dos senegaleses se manteve na média dos 40 por semana — explica Antonio Carlos Ferreira Crispim, um dos coordenadores do abrigo.

Três fatores são apontados como os mais decisivos para a retração na rota do Acre, que inclui a negociação com coiotes para atravessar República Dominicana, Panamá, Equador e Peru, antes da chegada ao Brasil. Um dos motivos é a crise econômica do país. Com muitos imigrantes desempregados e marginalizados, a rede de contatos dos haitianos fez chegar aos compatriotas a informação de que as condições, em terras brasileiras, não são as melhores.

— Já está sendo falada no Haiti a questão da crise. Ajudou a causar essa redução drástica — diz Esdras Hector, haitiano que ajuda na acolhida dos compatriotas no abrigo.

Os outros dois elementos envolvem cooperação internacional.

— O Ministério das Relações Exteriores aumentou o número de vistos concedidos na embaixada do Brasil em Porto Príncipe, capital do Haiti, para que a entrada deles ocorra de forma legal, pelos aeroportos. Agora são emitidos dois mil vistos por mês, antes o número não chagava a 100 — comenta o procurador-chefe do Ministério Público do Trabalho em Rondônia e Acre, Marcos Gomes Cutrim.

O último fator é o controle da circulação de haitianos na República Dominicana e no Equador, onde antes havia trânsito livre.

— A República Dominicana tem problemas diplomáticos com o Haiti. E, com a barreira no Equador, ficou mais difícil passar — conta Esdras.

Para Cutrim, chefe do MPT, o cenário indica que o ingresso de caribenhos no país se dará, cada vez mais, pelos aeroportos, com o visto humanitário emitido antes do desembarque.

— Essa rota do Acre tende a não ser mais utilizada pelos haitianos a partir dessas medidas— diz.

É um golpe nos coiotes, que cobram até US$ 3 mil para fazer a travessia dos caribenhos.

Com a redução de estrangeiros no abrigo de Rio Branco, as condições sanitárias e estruturais do local melhoraram. Equipes de limpeza atuam diariamente, banheiros antes semidestruídos e tomados por fezes passaram por reformas e agentes foram contratados por meio de um convênio para ajudar na confecção de documentos e ensino básico do português.

— Também não falta mais água. A única coisa em que ainda não conseguimos avançar foi nos colchões — conta Crispim.

Fonte: zh.clicrbs.com.br 26.12.2015

COMPARTILHE
NOTÍCIAS

ICC mulls investigation into Libya's abuse of refugees

COMPARTILHE

IOM says refugees are being sold in slave markets and being held for ransom, sexual exploitation and forced labour.

Leia mais...

Voto immigrati. Censis: Italia in black-list Ue

COMPARTILHE

Nell'Europa dei 28 sono 12 i Paesi che riconoscono agli immigrati non comunitari il diritto di voto alle elezioni amministrative. L'Italia non è tra questi.

Leia mais...
BIBLIOTECA

biblioteca

O CSEM possui uma biblioteca especializada em migrações abrangendo em seu acervo aproximadamente 3 mil livros, periódicos e revistas científicas de vários países. 

Para consultar nossa biblioteca online visite o site da biblioteca e pesquise em nosso acervo.Horário de funcionamento: segunda a sexta-feira, das 9h às 17h


Centro Scalabriniano de Estudos Migratórios - CSEM
SRTV/N Edificio Brasília Radio Center
Conj. P - Qd. 702 - Sobrelojas 01/02
CEP: 70719-900 - Brasília - DF / Brasil
Tel/Fax: +55 (61) 3327 0669
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

twitter   facebook