A- A A+

Líbano começa a controlar entrada de refugiados da guerra síria

Medida requer que os sírios obtenham vistos que limitam drasticamente seu tempo de permanência no Líbano.

FOLHAPRESS

Com seu sensível equilíbrio sectário pressionado por mais de 1 milhão de refugiados da guerra civil síria, o Líbano começou a impor nesta segunda-feira (5) restrições sem precedentes contra a entrada de cidadãos do país vizinho.

A nova medida, que requer que os sírios obtenham vistos que limitam drasticamente seu tempo de permanência no Líbano, estreita uma das poucas rotas de fuga de uma guerra que desalojou um terço da população síria.

O conflito, que em março completará quatro anos, não dá sinais de estar perto do fim.

Mais de 3 milhões de pessoas fugiram da Síria, em sua maior parte para os vizinhos Líbano, Turquia, Jordânia e Iraque.

Os países ocidentais apenas aceitaram pequenos números de refugiados, e centenas de pessoas morreram afogadas tentando cruzar o mar Mediterrâneo em embarcações precárias.

Funcionários dizem que o Líbano simplesmente não tem como receber mais pessoas.

O governo estima que haja cerca de 1,5 milhão de sírios no país, cerca de um quarto da população total. Ao redor de 1,1 milhão estão registrados na agência de refugiados da ONU.

"Chegamos ao limite. Não há capacidade para abrigar mais desalojados", disse o ministro do Interior libanês, Nohad Machnouk, durante uma entrevista coletiva televisionada.

Sem citar número específicos, autoridades de segurança libanesas informaram que muitos sírios tiveram sua entrada rejeitada em postos de fronteira nesta segunda.

Não há planos de repatriar à força sírios que já estejam no Líbano.

As mudanças que entraram em vigor nesta segunda estabelecem novas categorias de vistos de entrada para os sírios --incluindo turismo, negócios, educação e assistência médica-- e reduzem bastante o tempo de permanência.

Durante décadas, os sírios recebiam vistos gratuitos de seis meses, com muitos cruzando a fronteira porosa sem qualquer documento.

Mas quando o levante sírio de 2011 se tornou uma guerra civil, centenas de milhares invadiram o Líbano, pressionando os fornecimentos de água e de energia, aumentando os preços do aluguel e prejudicando a economia em áreas rurais, onde os sírios competem com libaneses pobres por trabalhos escassos.

Fonte: O Tempo - 05.01.2015

COMPARTILHE
NOTÍCIAS

Afghan refugees are cooking up a better future in India

COMPARTILHE

Back home in Ghazni, I never used to cook. It was only after I moved to Delhi six years ago that I made my first biryani,” says Farhat. A single mother, she moved to India from Afghanistan in 2010 when the Taliban killed her husband, an Afghan Army officer.

Leia mais...

Portugal tem a segunda taxa de natalidade mais baixa da União Europeia

COMPARTILHE

Só a Alemanha apresenta um registo inferior ao de Portugal. A população encolheu mais de 55 mil pessoas em Portugal, dado que o número de mortes superou os nascimentos e o número de emigrantes que saiu do país foi superior às entradas.

Leia mais...
BIBLIOTECA

biblioteca

O CSEM possui uma biblioteca especializada em migrações abrangendo em seu acervo aproximadamente 3 mil livros, periódicos e revistas científicas de vários países. 

Para consultar nossa biblioteca online visite o site da biblioteca e pesquise em nosso acervo.Horário de funcionamento: segunda a sexta-feira, das 9h às 17h


Centro Scalabriniano de Estudos Migratórios - CSEM
SRTV/N Edificio Brasília Radio Center
Conj. P - Qd. 702 - Sobrelojas 01/02
CEP: 70719-900 - Brasília - DF / Brasil
Tel/Fax: +55 (61) 3327 0669
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

twitter   facebook