A- A A+

Tragédia sobre tragédia na travessia dos migrantes

Por: Pe. Alfredo J. Gonçalves

A notícia choca pelos números: nos últimos três dias, próximo às costas da Líbia, no lado africano do mar Mediterrâneo, cerca de 600 migrantes morreram afogados em mais um grande naufrágio (talvez o maior dos últimos anos). Outras vítimas podem ter desaparecido, apenas uns poucos conseguiram sobreviver. Entre os mortos, predominavam jovens de ambos os sexos e não poucas crianças. Devolvidos pelas águas do mar, os corpos se estendiam pela praia, numa visão trágica de quem se vê forçado a arriscar tudo para fugir da pobreza e da violência, buscando um lugar ao sol.

Os números chocam e vão se acumulando dia a dia, semana a semana, mês a mês, ano a ano. Na tentativa de alcançar os países europeus, e ali replantar suas esperanças e lutas, barcaças apinhadas de novos migrantes, prófugos e refugiados continuam a arriscar a travessia. Cada uma delas, pela sua fragilidade e lotação, mais parece uma casca de noz sobre as águas ameaçadoras. Em tais condições precárias, não é difícil o naufrágio e a tragédia. Desnecessário dizer que, por trás dos números anônimos, exitem rostos, nomes e sobrenomes, famílias golpeadas pela separação e sonhos quebrados, irremediavelmente diluídos no mar da deilusão e da morte.
 
Três observações preocupantes. A primeira refere-se à "operazione mare nostrum” (operação nosso mar), posta em ação pelo Ministério da Defesa italiano. Teoricamente, trata-se de uma "operação militar e humanitária” para salvar o maior número de pessoas que se aventuram nessa arriscada travessia. O problema é que somente agora, e de forma tíbia e tímida, algumas outras nações europeias se deram conta que a fronteira do Mediterrâneo (entre África e Europa) não confina apenas os países do sul do velho continente, mas o continente como um todo. Numa palavra, ou todos os Estados assumem conjuntamente esse drama humano, ou as tragédias devem continuar. Assassinas não são as águas, e sim a indiferença e o tráfico humano.
 
O segundo comentário tem a ver justamente com esse tráfico humano e a formação de "máfias” em torno dessa fonte de renda. Os traficantes aproveitam-se da vulnerabilidade dos fugitivos da guerra e da miséria – provenientes particularmente da Síria, Etiópia, Líbia, bem como de países mais distantes da África-subsaariana e da Ásia – para extorquir-lhes os últimos recursos em dinheiro e energias, prometendo-lhes o Eldorado do outro lado do mar. Verdadeiros "mercadores de carne humana”, como dizia o bispo João B. Scalabrini, "pai e apóstolo dos migrantes”, referindo-se à histórica emigração dos italianos no final do século XIX e início do século XX em direção às Américas e Austrália. Além da extorsão e das falsas promessas, são eles, os traficantes, que amontoam os migrantes nessas frágeis embarcações, particamente enviando-os para o abismo inevitável (e previsível).
 
Em terceiro lugar, por parte da grande mídia, da opinião pública e da população das ruas, verifica-se o risco crescente de "naturalizar” semelhantes tragédias. Aparecem com tanta frequência nas páginas dos jornais e nas imagens dos telejornais, que nos acostumamos a interpretá-las como uma simples notícia. Uma notícia a mais entre tantas outras. Gradualmente, sem nos darmos conta, tornam-se parte do noticiário "normal”. E às vezes, diante dos corpos boiando sem vida na superfície das águas, os comentários não deixam dúvidas quanto a essa fria visão à distância: "Olha, morreu mais um punhado de migrantes!... Ouvi no rádio que recolhiam os cadávres da praia... A TV mostrou as imagens... Bem, eram migrantes, extra-comunitários”!
Não raro, o impacto se neutraliza: tudo normal, natural... Que se pode fazer? E aqui permanece vivo e interpelador o desafio lançado pelo Papa Francisco, de "passar de uma cultura da indiferença a uma cultura da solidariedade”.

Roma, Itália, 16 de setembro de 2014

Fonte: Adital - 18.09.2014

NOTÍCIAS

Economic migrants use children as 'human shields': Czech leader

COMPARTILHE

 The Czech president Sunday accused economic migrants of using children as "human shields" in their bid to reach Europe, as the continent grapples with its biggest migration crisis since World War II.

Leia mais...

Lanzan campaña contra trata de personas en Centroamérica

COMPARTILHE

La Coalición Regional Centroamericana para la Trata de Personas, anunció ayer en Honduras el inicio de una campaña para combatir ese ilícito y la explotación sexual comercial en la región.

Leia mais...
REDES SOCIAIS

Conheça nossos canais dentro das redes sociais, participe, interaja, queremos ouvir você.

facebook  twitter

Centro Scalabriniano de Estudos Migratórios - CSEM
SRTV/N Edificio Brasília Radio Center
Conj. P - Qd. 702 - Sobrelojas 01/02
CEP: 70719-900 - Brasília - DF / Brasil
Tel/Fax: +55 (61) 3327 0669
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

twitter   facebook